8.000 CALORIAS NAS “DIETAS DE PESO” DE HIPERATLETAS

A DIETA HIPERCALÓRICA DOS HERÓIS OLÍMPICOS QUE TEM POTENCIAL PARA SE TORNAR VILÃ

Até alcançar o topo, atletas de alto rendimento, também chamados de elite, seguem uma rotina que envolve intenso treinamento, disciplina, dedicação e compromisso. Um elemento fundamental no preparo de um atleta é a alimentação. Para os que possuem alto gasto calórico, como os de modalidades olímpicas que incluem da corrida à natação, passando pelo ciclismo e pelo levantamento de peso, ela deve ser diferenciada, com elevada ingestão de calorias, obtidas através de uma dieta hipercalórica.

Tal dieta tem o objetivo de manter ou aumentar a massa muscular. Adeptos desse tipo de alimentação devem ingerir proteínas de alto valor biológico, encontradas em carne, leite, ovos e carboidratos de alta qualidade nutricional, como pães e massas, raízes ou tubérculos, presentes na batata, inhame e mandioca, além de frutas e vegetais.

“Tenho que ingerir em média, 8 mil calorias por dia. Entretanto, quantidade não significa falta de qualidade na minha alimentação. Apesar de precisar manter um peso de 140 quilos, minha dieta é toda baseada em proteínas e carboidratos. Acredito que se alimentar bem é comer de tudo, de forma inteligente. Eu priorizo a ingestão de carnes e peixes, bem como arroz, feijão, batata, massas, verduras, legumes e frutas. De vez em quando, como fast food, sim, e uma boa taça de sorvete. A boa alimentação e o descanso apropriado, combinados com muito treino, contribuem de forma positiva para a obtenção de bons resultados”, descreve Fernando Reis, recordista sul-americano em levantamento de peso e primeiro atleta brasileiro a conquistar medalha de ouro na modalidade em Jogos Pan-Americanos, no ano passado, em Guadalajara. Trata-se da dieta com que se prepara para Londres.

Quando seguir as “dietas de peso”

De acordo com o Professor Dr. Edilson Serpeloni Cyrino, da Universidade Estadual de Londrina (UEL), as dietas hipercalóricas devem ser utilizadas basicamente em duas situações: quando o nível de atividade física habitual é elevado para a manutenção da massa corporal, no caso de atletas e praticantes de exercícios físicos muito intensos ou de longa duração ou para ganhos de massa corporal, sobretudo, massa muscular.

“Há uma forte relação entre hipertrofia (aumento da massa muscular) e força muscular. Dietas hipercalóricas associadas ao treinamento de alta intensidade, como o treinamento com pesos, por exemplo, estimulam a hipertrofia muscular e o consequente ganho de força e potência muscular. Atletas que se submetem a essa estratégia nutricional devem controlar periodicamente sua composição corporal, já que essas dietas podem resultar em acréscimos indesejáveis de gordura”, explica o especialista.

Beber muita água é essencial

As dietas hipercalóricas devem ser feitas com a orientação e sob a supervisão de um nutricionista, após análise preliminar de cada caso específico. As recomendações vão atender a necessidades e objetivos desejados. O tempo de duração deste tipo de alimentação está relacionado a fatores como a fase do treinamento e o cronograma de competições, no caso dos atletas profissionais, e o alcance ou não dos objetivos traçados, no caso dos demais. Se mal administrado, ele pode resultar em efeitos nocivos à saúde, como ganho de gordura corporal, elevação no nível de triglicerídeos no sangue, aumento da resistência a insulina e o desenvolvimento de doenças crônico-degenarativas como hipertensão arterial, diabetes tipo 2 e  doenças cardiovasculares.

No caso dos atletas de alto rendimento, a necessidade de seguir uma dieta hipercalórica deve-se ao treinamento de alta intensidade, que aumenta a degradação proteica (catabolismo) – ou seja, exige maior reposição de proteínas para reparar os danos musculares induzidos pela prática do exercício físico. Além disso, a alta ingestão de proteínas aliada ao treinamento com pesos de alta intensidade promove um ambiente metabólico favorável ao ganho de massa muscular, ideal para os atletas.

A ingestão de água também deve ser observada pelos adeptos desse tipo de dieta. Enquanto em indivíduos pouco ativos fisicamente, a dose recomendada é beber dois litros por dia, pessoas que fazem dietas hipercalóricas devem aumentar a ingestão do líquido para repor as perdas provocadas pela prática de exercícios físicos. Entre as estratégias para avaliar a quantidade de reposição de água a ser feita estão começar a hidratar duas horas antes de começar a treinar, durante o treino e se pesar antes e depois dos exercícios.

FENÔMENO DAS  PISCINAS, MICHAEL PHELPS INGERE 12 MIL CALORIAS DIÁRIAS

Confira a dieta diária deste hiperatleta:

Café da Manha

    3 sanduíches de ovo frito, com queijo, alface, tomate, cebolas fritas e maionese
3 xícaras de café
1 omelete com cinco ovos
1 tigela de cereais.
3 fatias de torradas com açúcar
3 panquecas de chocolate.

Almoço

1 pacote de macarrão (500g, mas, depois de pronto, cerca de 2kg)
2 sanduíches de queijo com presunto
1 copo de de bebida energética com 1.000 calorias

Jantar:

1 pacote de macarrão (500g)
1 pizza inteira
1 copo de de bebida energética com 1.000 calorias

Isso equivale a 5 vezes mais cálcio, 7 vezes mais ferro e 9 vezes mais fósforo do que uma pessoa comum consome. É o equivalente ao que 5 homens comem por dia, ou ao que uma mulher consome em 15 dias.